Um Frank ‘Postmortem’ – Não é ele, sou eu

OUTLANDER - SEASON 3

Por Nikki Gastineau, Outlander Cast | 02/10/2018

Ame-o ou o odeie, Frank Randall foi um personagem integral nas três primeiras temporadas de Outlander. Nikki Gastineau detalha porque odiar Frank vem facilmente para ela.

Eu não tenho amor por Frank; zero, nada, nada. Eu encontrei recentemente uma Defesa de Frank Randall que Diana Gabaldon escreveu depois que os fãs entraram em discussões acaloradas sobre o Milquetoast Randall. Embora ela não tenha entendido muito bem a difamação dele, ela sugeriu que as mulheres que estão insatisfeitas com os seus próprios conjuges podem fixar suas deficiências de relacionamento em Frank durante todo o tempo, desejando o seu próprio James Fraser. Droga, isso é duro, doloroso e, no meu caso, absolutamente verdadeiro. Eu poderia resumir a história e dizer que detesto Frank porque ele me lembra meu ex-marido, mas não vejo a graça nisso. Aqui está a minha chance de matar dois pássaros com uma pedra e eu vou usar essa oportunidade. Além disso, eu escrevi uma materia  algum tempo atrás para escrever este post então aqui vai.

Deixe-me começar dizendo que senti uma pontada no coração por Frank nos dois primeiros episódios de Outlander. Eu realmente senti. Ele claramente amava Claire e estava feliz que eles estivessem juntos novamente e que a guerra estava por trás deles. Então ela desapareceu. À medida que me aprofundei na primeira temporada e li os livros, descobri minha simpatia por Frank diminuir, sendo gradualmente substituída por uma série de outras emoções.

Frank confundiu sua assinatura para Ancestry.com com uma lua de mel

A narração de Claire nas cenas de abertura do episódio 1 nos conta que a viagem às Highlands escocesas foi ideia de Frank. Ela diz: “Eu acho que nós dois sentimos que um feriado seria um disfarce conveniente para o negócio real de conhecer as pessoas que nos tornamos depois de cinco anos de intervalo.” Cinco anos de intervalo absolutamente causaria estragos em um casamento e uma segunda lua -de- mel seria uma maneira maravilhosa de reacender as chamas. Frank está tão pronto para acertar o botão de reiniciar que assim que ele entra em seu quarto, ele abaixa as malas, agarra Claire e a desnuda lentamente. Não, isso não está certo. Deixe-me tentar novamente. Ele abaixa as malas, pega um livro e começa a ler. Não é exatamente o material de fantasias, é?

Frank consente ao pedido de  Claire e eles fazem a dança estridente do colchão, mas claramente não é a primeira coisa em sua mente. Em seguida, vemos Frank com o reverendo Wakefield discutindo Black Jack Randall. Eles obviamente estão lá há algum tempo porque Claire pediu licença para ir a uma sala diferente para ler um livro. Se alguém tem a intenção de recuperar um casamento, por que passar seus dias com um ministro idoso (sem ofensa, bondoso reverendo) em seu estudo vasculhando jornais antigos? Diana nos diz que vemos Frank através de Claire, então Claire era a única interessada em encontrar o que eles perderam na guerra? Frank sabe que eles perderam alguma coisa? De qualquer maneira, ele está amaldiçoado nos meus olhos. Ele não está disposto a trabalhar em um relacionamento tenso por anos de separação ou sem noção dos efeitos do tempo.

frank-and-rev-e1537928399329

Frank vê um fantasma e tira conclusões
Eu não imagino Frank como o tipo atlético, mas a maneira como ele pula de ver um fantasma para se perguntar se Claire foi infiel me faz pensar que ele deveria ter se inscrito para um time de atletismo. Consciência culpada, Frank? Talvez seja apenas eu, mas qualquer conversa que comece com “se você foi infiel, tudo bem, eu ainda te amarei” soa muito como “por favor, me diga se você foi infiel porque vai me fazer sentir menos culpado por minha própria semeadura desenfreada de momentos selvagens ”.

ghost-frank-e1537928439233

Um casamento não é uma festa surpresa

Em “O Casamento”, vemos um flashback (flash forward ?!) para o dia do casamento de Claire e Frank. Claire e Frank estão indo para um jantar onde Claire vai conhecer os pais de Frank pela primeira vez. Frank pára no meio da rua e pergunta a Claire se ela está pronta. “Pronta para o quê?”, ela pergunta. Frank acena para o Cartorio e pede que Claire se case com ele. Ela parece atordoada e pergunta sobre um casamento apropriado e o que sua família vai pensar. Frank diz que ele só se preocupa com a família que eles vão fazer juntos. Ele não pergunta a Claire se ela prefere um tipo diferente de casamento ou se gostaria de esperar até o fim de semana para pensar sobre isso.

Ele não pergunta o que ela quer. Ele só lhe dá uma escolha no meio da rua e ela diz que sim. Minha reação inicial, a emocional, foi ver isso como um gesto romântico. Frank estava dizendo, dane-se minha família, quero que você seja minha esposa. Depois que o lado lógico do meu cérebro entrou em ação, pareceu um desastre esperando para acontecer. Tenho certeza de que muitas pessoas se casaram por impulso e viveram felizes por muitos anos. Eu também estou disposta a apostar que esses casamentos são mais a exceção do que a regra. A repentina proposta na rua e o casamento apressado que se seguiu pareceram mais uma oportunidade para Frank pegar Claire em um momento vulnerável e agarrá-la antes que ambos saíssem para a guerra para encontrar seus destinos e outros homens e mulheres solitários.

proposal-1-e1537928542210

Pense em como é diferente do casamento de Jamie e Claire. Nenhum deles realmente tem uma escolha no assunto, mas Jamie está determinado a dar a Claire um casamento que ela vai lembrar para o resto de sua vida – exatamente a quantidade de tempo que ele pretende estar ao seu lado.

Ele envia os Highlanders em uma caçada de casamentos para tornar o dia perfeito. Angus e Rupert ameaçam ferir o ferreiro para conseguir o anel de Claire. Murtagh é quase levado até a morte por uma viúva tagarela, a fim de obter o kilt de casamento de Jamie. Eu ainda não tenho certeza do que Ned tem que fazer para conseguir o vestido de casamento para Claire, mas ele não parece ter sofrido muito. E naqueles poucos momentos que passam entre Jamie e Murtagh no estábulo, Jamie diz que quer um casamento que deixaria sua mãe orgulhosa. Jaime não só se preocupa com Claire, ele se preocupa em como sua família, mesmo aqueles que não estão mais vivos, a receberão.

Na audição de uma viagem fantástica

Quando Frank e Claire estão reunidos, Frank diz a Claire que ela não precisa contar nada a ele e que ele está feliz por ela ter retornado. Claire insiste, no entanto, e ela passa uma noite contando a ele sobre seu tempo com Jamie. Quando o sol nasce, Claire termina sua história e Frank se esforça para processar o que acaba de ouvir. Ele diz que “é um grande salto de fé, mas é um que estou preparado para fazer”. Ele diz a Claire que ele ama apenas ela e insiste que ele não se importa com o que aconteceu. Ele implora para que eles reiniciem a vida juntos até ela diser que está grávida. Por um momento Frank acredita que a criança é dele e então, quando percebe a verdade, ele fica furioso, pairando sobre Claire e olhando para todo o mundo como Black Jack Randall. Para crédito de Frank, ele retorna mais tarde e diz que quer criar o bebê juntos.

Apesar de ter dado apenas um pouco de crédito a Frank, vou recuperar a maior parte. Os leitores de livros sabem que Claire traz a ideia de adoção com Frank antes de ela passar pelas pedras. Ele diz a ela que não acredita que possa “sentir-se adequadamente em relação a um filho” que não seja do seu próprio sangue. Ele quer dar a Claire uma criança e ele quer ver a criança crescer e saber que é parte dela, parte dele.

Então, o que mudou? Quando vejo essa cena, em vez de um momento de sacrifício carinhoso, vejo, em vez disso, o momento em que Frank reconhece que não pode ser pai de crianças e que essa é sua última e melhor chance de ter uma família. Para um homem tão impregnado de história e laços ancestrais, esse filho não nascido representa uma nova ramificação em sua árvore genealógica e, para isso, ele está disposto a olhar além do que quer que tenha acontecido entre Claire e Jamie.

nasty-frank-e1537928601137

Quando Claire conta a Jamie sobre sua viagem no tempo, ele fica atordoado, mas ele ouve a história dela com espanto e admiração. Ele faz perguntas. Ele diz a ela que é difícil acreditar, mas ele fará isso porque confia nela. Ele então, em um ato de amor altruísta, a leva para as pedras para que ela possa voltar ao seu próprio tempo. Talvez por causa desse grande ato, ou por causa dos muitos pequenos atos de amor e bondade que Jamie demonstrou a Claire, ela escolhe ficar com ele.

O verdadeiro amor não tem condições … até que tenha

Frank diz a Claire que ele quer viver uma vida com ela como homem, esposa e filho, mas que ele tem condições. “Vamos criar essa criança como nossa – a sua e a minha.” Em segundo lugar, ele diz a Claire que “enquanto eu respiro nesta terra, não posso compartilhar você com outro homem.” Ele continua dizendo a Claire que ela não pode procurar por vestígios de Jamie em bibliotecas ou livros e que ela deve deixar Jamie ir. Claire concorda, mas é, claramente, uma mulher em conflito. Frank então poe fogo nas roupas de Claire.

Pontos bonus para Frank por finalmente atear fogo, mas, novamente, pontos devem ser deduzidos por sua crença equivocada de que as chamas apagariam as memórias de Claire da vida e do amor que ela compartilhava com Jamie. A vilã cereja no topo do sundae condicional que Frank preparou para Claire era que eles viveriam essa nova vida em Boston, para que não fossem perseguidos pela imprensa britânica e pela história da mulher levada pelas fadas. Porque eu nunca dou a Frank o benefício da dúvida, eu também assumo que esta é uma maneira de ele assumir mais facilmente o papel do pai de Brianna sem toda a suspeita incômoda de amigos e colegas em relação à criança Viking de cabelos de fogo vagando pelos santificados salões de Oxford.

burning-clothes-e1537928672600

Jamie tinha ciúmes de Frank e ele disse isso em muitas ocasiões, mas ele nunca pediu Claire para eliminar sua memória de Frank. Pense na cena da terceira temporada no Artemis, quando Claire vê um baú no canto da cabine. Ela abre e descobre que contém suas roupas de Paris. Em um tempo em que essas roupas poderiam ser vendidas por dinheiro precioso, Jamie não permitira, porque elas eram sua última lembrança tangível de Claire.

Em uma entrevista, Caitriona Balfe disse que Jamie é o homem que a maioria das mulheres quer, mas Frank é o homem com quem nos encontramos. Eu acho que há muita verdade nisso. E, no vácuo, Frank não é tão ruim assim. Ele está claramente comprometido com Claire e está disposto a colocar algum esforço no relacionamento. Ele não nutre orgulho algum em concordar em criar o filho de outro homem como seu filho e sustentar sua pequena e disfuncional família. Em muitos casos, isso seria suficiente para fazer um casamento funcionar. Claire não está vivendo em um vácuo, e ela sempre vê Frank através das lentes de seu amor e paixão por Jamie. Não é justo, mas a vida muitas vezes não é.

hands-e1537928729939

Eu era casada com um homem que incorporava a maior parte das melhores características de Frank. Ele era um aperto de mão flácido vestido com um tipo de roupa marrom que não agitaria o mundo de ninguém, mas provavelmente também não o destruiria sozinho. Na verdade, nosso casamento poderia ter durado mais tempo do que se não tivéssemos experimentado, para emprestar o termo de outro autor, uma série de eventos infelizes.

Esses eventos fizeram com que eu o visse sob uma luz que era mais desfavorável. Ele ainda era a mesma pessoa, mas visto de um ângulo diferente, tornou-se estrangeiro, desconhecido. Um amigo querido me disse uma vez que o oposto do amor não é ódio, mas sim apatia. Quando nosso casamento desmoronou, percebi que minha raiva não era produto de desmaiar de amor; foi em vez disso um reconhecimento de todo o tempo que eu perdi tentando fazer a minha vida parecer “certa” e sabendo que isso nunca aconteceria. Foi percebendo que, em face do que poderia ser, o que realmente não tem chance.

E aqui reside o meu ódio por Frank. Realmente não é ele. Sou eu. É a Claire. É ter experimentado o que a vida poderia ser e ficar com o que é. Tennyson escreveu “é melhor ter amado e perdido do que nunca ter amado”. É um ótimo sentimento, mas soa um pouco vazio quando o amor perdido é James Fraser, o Rei dos Homens. A perda se torna pesar e às vezes o peso desse sofrimento resulta em um cinzeiro lançado (mas não era glorioso?) E explosões de raiva. Às vezes, o pesar se torna ódio e ódio e entes queridos, julgados perfeitamente bem pelo resto do mundo, tornam-se inimigos.

Então, sim, desprezo Frank Randall. Eu o odeio tanto que me doía vê-lo na terceira temporada. Eu odiava ver a solidão mútua de Frank e Claire na tela da minha televisão porque eu me lembrava muito bem do que era viver naquele espaço emocional. Eu assisti, porque às vezes é bom lembrar que as sombras vêm da luz. As sombras na vida de Claire vinham da luz que brilhava para Jamie e do amor que a esperava do outro lado das pedras, e foi um inferno de uma viagem emocionante vê-la voltar a essa luz.

Fonte: Outlander Cast 


Um comentário sobre “Um Frank ‘Postmortem’ – Não é ele, sou eu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s