#Curiosidades | A Música Celta e Outlander

Se tem uma coisa que todo fã de Outlander ama (além de Claire e Jamie) é sem dúvida alguma a trilha sonora. E eu particularmente tenho uma deliciosa relação com a musica celta, estilo predominante nas temporadas 1 e 2 da série e é dela que iremos falar hoje.

Pessoas com a sensibilidade mais aguçadas sabem bem como a música nos auxilia nos processos de relaxamento e concentração ou até mesmo na transmissão de alguma mensagem, seja ela direta ou mesmo corporal, assim é a música Celta.

Alguns historiadores remetem sua origem aos Druidas e suas cresças enraizadas nas forças da natureza, fundamentadas no amor e sabedoria; outros a influência da união dos povos da Irlanda, Portugal, Escócia, Bretanha, Galiza, País de Gales, Ilha de Man e Cornualha, que usavam formas tradicionais de dança junto com os improvisos dos trovadores. Porém, por serem culturas diferentes, seus ritmos variavam de acordo com sua região, por exemplo, na Irlanda o ritmo é mais swingado, já na Escócia o instrumento predominante é o som da famosa Gaita de Fole, na Bretanha é mais melancólica, lembrando a sonoridade medieval, e por ai vai.

Os povos Celtas acreditavam que na música havia algo de divino, e como eram ligados á religião dos druidas, suas músicas além de promover sua cultura e sua mitologia beneficiaram sua historia, pois através delas, sabemos de seu modo de vida, como agiam e principalmente fatos históricos que os envolvem.

FOTO 1

Os temas entoados nas canções eram variados, podemos encontrar muitas canções falando de seres mitológicos e da natureza. Ainda por dentro da Mitologia Céltica, vemos o surgimento de elfos, fadas, gnomos, duendes entre outras criaturas viventes, que hoje se tornaram parte da cultura folclórica irlandesa. As músicas que falam sobre natureza são geralmente calmas, cheias de sentimento como gratidão a tudo que sentiam e que a natureza representava. Os sons dos instrumentos, são semelhantes a sons que a natureza emite, fazendo com que a melodia tornasse algo sagrado e era função do músico traduzir para a melodia movimentos como as estações, plantas, ventos e tudo ligada ao mesmo. Por mais que não tenhamos algo documentado, muitas das músicas falam de deuses e algumas de suas historias. Com narrativas que envolviam historias de amor e peregrinação, ou ainda suas batalhas e lutas, onde expunha suas perdas ou comemorando suas vitorias.

4 - Os Tambore do Outono VU

Na chamada “Grande epopeia do povo Celta” as reuniões destes povos mantiveram influências em comum e enriqueceram sua música. O tempo passou e veio o Movimento Nacional Irlandês nos anos 60, depois o New age em 90, e hoje a descrição mais próxima que tempos do antigo estilo celta é o folk. A chegada da cristandade e os avanços tecnológicos fizeram com que muito dessas músicas se perdesse, ou atualizassem, tomando rumos diferentes da preferência celta.

FOTO 2

Seus instrumentos permanecem tradicionais e inclui banjo, harpa, violino, alude, flauta, whistles (flauta irlandesa) e gaita de fole. Mesmo com a modernização nos séculos, a música Celta “raiz”, conservou seus traços barrocos e além dos instrumentos já mencionado conta com um instrumento de percussão pouco conhecido, o Bodhrán. ainda vamos ouvir muito sobre esse instrumento

FOTO 3 bodhrán
bodhrán

Depois de saber um pouco sobre a origem e a estrutura desse encantamento em forma de canção, vamos destacar algumas que fazem parte da nossa série preferida e ficaram eternamente em nossa mente.

Uma das minhas músicas preferidas em Outlander é “The Woman of Balnain”, que é a música que o trovador canta, enquanto Jamie traduz pra Claire no episódio The Way Out, na primeira temporada. A letra falar de uma moça tocou a pedras e viajou para uma terra distante, entre estranhos que se tornaram amantes e amigos opa, acho que conhecemos essa historia.

A nossa tão querida “The Skye Boat Song”, que vem sendo adaptada a cada região que a nossa série passa, foi criada mais ou menos em 1870, mas publicada só em 1884, em original é uma canção escocesa e uma poesia que retrata a fuga de um certo príncipe de Uist para a Ilha de Skye após sua derrota na Batalha de Culloden em 1746 iiiiih acho que também conhecemos esse daqui. Bear McCreary fez algumas adaptações ao texto do poema original para encaixar a história e deixá-la do jeito que conhecemos hoje. Na primeira temporada ainda tivemos “An Fhideag Airgid”, que também fala sobre Bonnie Prince.

versão mais próxima ao original e beeem celta

O texto acabou se alongando demais, mas a verdade é que enquanto escrevia, deixei minha playlist tocando e volta ou outra saia dançando e dando voltas dentro de casa como as druidas com as lâmpadas na mão. Vou deixar a indicação de uma playlist pra quem gostar e indico uma banda que segue até hoje com os mesmos costumes e tradições, e super gostoso de ouvir chamada OMNIA.

GIF 1

 

Curta nossa página no Facebook, conheça nosso grupo, Apaixonados Por Outlander, nos siga no Twitter e Instagram. Inscreva-se no nosso canal do Youtube.

 


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s