Livro vs Série – 4×05 – Savages

Chegamos ao quinto episódio, e que episódio, foram fortes emoções. Nele, voltaram a trazer uma mistura entre elementos da adaptação literária junto a narrativa própria que vem sendo construída pela série. Para facilitar nossa conversa sobre mudanças ocorridas no episódio, vamos agrupar os acontecimentos em dois núcleos: Jaime e Claire. No final, um dedinho de prosa sobre o Roger.

Confira nossa resenha: Outlander: 4×05 – Savages

O episódio começa com uma passagem de tempo, que nos livros também são bem comuns, e nosso casal já está estabelecido em Fraser’s Ridge, ou na Cordilheira dos Frasers. Jaime parte para Woolam’s Creek em busca de colonos para cultivar a terra que recebeu. Chegando lá, tem grande dificuldade em conseguir arrendatários, devido aos problemas com cobradores de impostos. No livro, não existe Woolam’s Creek, a cidade mais próxima é Cross Creek, que na série é mencionada como uma cidade maior e mais distante. Jaime também não tem problemas para conseguir colonos, muitos são ex-prisioneiros de Ardsmuir. E, no livro, Duncan Innes que parte atrás dos colonos. Veja sobre os colonos:

Até então, Duncan havia localizado trinta dos homens de Ardsmuir; Gavin Hayes fora o primeiro e nós havíamos feito por ele tudo que podia ser feito; conduzi-lo adequadamente ao reino dos céus. Outros dois haviam morrido, um de febre, outro afogado. Três haviam completado seu tempo de contrato de trabalho forçado e — armados apenas com um machado e uma muda de roupas, que era o pagamento final de um expatriado — haviam conseguido encontrar um esteio por conta própria, reivindicando terrenos no interior e construindo pequenas fazendas lá.
Do restante, havíamos trazido vinte até agora para se estabelecerem em terras boas próximas ao rio, sob o patrocínio de Jamie. Um outro era débil mental, mas trabalhava para um deles como empregado e, assim, ganhava seu sustento. Foram necessários todos os nossos recursos para fazer isso, usando o pouco dinheiro que tínhamos, adiantamentos contra o valor de colheitas ainda não existentes — e uma apavorante viagem a Cross Creek.

OUTLANDER - SEASON 4

Na série, Jaime pediu a Fergus que buscasse alguns de seus ex-companheiros de Ardsmuir, porém ainda não sabemos se terá algum resultado. Mostrar os conflitos com cobranças de impostos pode ser importante para o futuro da série, além de deixar claro para os expectadores o que é o movimento dos reguladores. Até aqui, os elementos inseridos na adaptação fazem sentido com linha narrativa da série, além de criar uma base para futuros conflitos.

Outra grande mudança envolvendo Jaime foi seu reencontro com Murtagh (que foi lindo!!). Nos livros, Murtagh morreu na batalha de Culloden. Jaime conta para Claire como foi a morte seu padrinho em “O Resgate do Mar”, quando Claire corta o braço, que foi um ferimento mais sério no livro. Veja o trecho:

— O solo tremia sob meus pés — ele disse — e eu estava quase surdo com o barulho. Não conseguia pensar. E então me ocorreu que eu estava atrás da linha inimiga. — Uma risadinha veio de baixo. — Um lugar bem ruim para tentar ser morto, hein?
Assim, ele empreendeu o caminho de volta pela charneca, para se unir aos escoceses mortos.
— Ele estava sentado contra uma moita de capim no meio do campo… Murtagh. Fora atingido umas doze vezes pelo menos e havia um terrível ferimento em sua cabeça… eu sabia que ele estava morto. Mas ele não estava; quando Jamie caiu de joelhos ao lado de seu padrinho e tomou o pequeno corpo nos braços, os olhos de Murtagh se abriram.
— Ele me viu. E sorriu. — E então a mão do velho amigo tocou seu rosto de leve. ‘Não tenha medo, a bhalaic’, Murtagh dissera, usando as afetuosas palavras para um garotinho amado. ‘Não dói nada morrer.’
Fiquei parada por um longo tempo, segurando a mão de Jamie. Então ele suspirou e sua outra mão fechou-se muito, muito delicadamente ao redor de meu braço ferido.
— Muita gente morreu, Sassenach, porque me conhecia… ou sofreu por me conhecer. Eu daria meu próprio corpo para lhe poupar um momento de dor… e no entanto, se eu quisesse, poderia fechar minha mão agora, até ouvi-la gritar, e também saber com certeza que não a teria matado.
Inclinei-me para a frente, pressionando um beijo na pele de seu peito. Ele dormia despido no calor.
— Você não me matou. Você não matou Murtagh. E nós encontraremos Ian. Leve-me de volta para a cama, Jamie.

Todas amamos Murtagh e ficamos muito felizes com retorno dele ao show, ou a maioria acredito. Em termos de adaptação, a volta do personagem se deve bom entrosamento do trio. Além disso, ao que tudo indica, Murtagh pode assumir a narrativa de Duncan Innes, que seria adaptada é claro. Vocês já repararam que constantemente menciono Duncan Innes, personagem que nos livros foi apresentado em “O Resgate do Mar”, e que ganha destaque em “Tambores de Outono”. Ele nunca foi mencionado na série, então a adaptação faria sentido.

OUTLANDER - SEASON 4

Nesse episódio também conhecemos outros povos que vieram tentar a vida na América: os Alemães. Também temos essa passagem no livro. Aliás, vamos voltar rapidinho ao terceiro episódio. Lembram que eu disse que a cena do raio foi antecipada? Ela ocorre quando Frau Klara está voltando do parto que realizou na casa dos Mueller. Na série, fez sentido terem separado as sequências, devido à importância dos acontecimentos e tempo para desenvolve-los na série.

Sobre a adaptação, no livro não vemos a passagem dos índios, ela é mencionada depois pelo padre. No entanto, a principal mudança vem na parte da vingança e das mortes. Como na série, a jovem mãe, Petronella, e o bebê morrem de sarampo, e Herr Mueller culpa os índios que haviam passado por sua terra. Em busca de vingança ele parte para a mata atrás dos índios, e encontra e mata três mulheres, velha índia curandeira, outras duas que a acompanhavam, ou assim ficou entendido segundo os relatos ouvidos por Jaime e Claire. Ao procurar Claire, Mueller lhe presentei apenas como amuleto para proteção, como agradecimento por toda ajuda prestada por sua família. Veja o trecho:

Abri a boca, mas não emiti nenhum som. Devo ter feito algum movimento involuntário, pois o pano escorregou repentinamente para o chão, espalhando o feixe de cabelos grisalhos ao qual um pequeno ornamento de prata ainda se agarrava. Com ele estava a bolsinha de couro, as penas de pica-pau manchadas de sangue.
Nos meus ouvidos, ecoavam as palavras que eu ouvira um ano antes, junto ao riacho, na voz suave de Gabrielle, traduzindo para Nayawenne.
Seu nome significava ‘Pode ser, acontecerá’. Agora acontecera e tudo que restava como consolo eram suas palavras: ‘Ela diz que você não deve se preocupar, a doença é enviada pelos deuses. Não será culpa sua.‘”

Outlander Season 4 2018

No livro, os escalpos são mencionados pelo padre, mas não vistos. Mostrar a cena na série foi a forma gerar impacto das ações do patriarca alemão para público.

Outra mudança aqui foi a vingança indígena, que não existe nos livros. A aldeia mais próxima sofreu um surto de sarampo, então a curandeira havia saído para floresta em busca de cura quando foi atacada. Ao não voltar, a tribo presumiu que ela e suas companheiras adoeceram e morreram. Jaime que havia ido à aldeia tratar e alguns assuntos ficou sabendo sobre surto por seu amigo nativo. Vejam o trecho:

— Você não se encontrou com aquela que cura, nem com a mulher em cuja oca eu habitava?
Acostumado com a noção indígena de que era grosseria dizer o nome de uma pessoa em voz alta, a não ser numa cerimônia, Jamie sabia que ele devia estar se referindo a Gabrielle e a Nayawenne. Ele sacudiu a cabeça, sabendo que esse gesto devia destruir o último lampejo de esperança que o índio devia ter. Não era consolo, mas ele pegou o frasco de conhaque de sua cintura e ofereceu-o num mudo pedido de desculpas por não estar trazendo boas notícias. […]
— O que aconteceu? — perguntou sem rodeios.
— Doença — Nacognaweto respondeu em voz baixa. Seus olhos brilharam, úmidos, ardendo com os vapores do álcool. — Fomos amaldiçoados. […]
Quando a doença começou, Nayawenne cantou para as vítimas. Quando mais e mais caíram doentes, ela saíra para a floresta em busca de… os conhecimentos de tuscarora de Jamie não eram suficientes para interpretar as palavras. Um amuleto, ele achou que era — alguma planta? Ou talvez ela procurasse uma visão que lhes dissesse o que fazer, como reparar qualquer mal que fizera a doença se abater sobre eles, ou o nome do inimigo que os amaldiçoara. Gabrielle e Berthe a acompanharam, porque ela era velha e não devia ir sozinha — e nenhuma das três voltara.
Nacognaweto oscilava ligeiramente ali sentado, a cabaça agarrada nas mãos. A mulher inclinou-se sobre ele, tentando retirá-la, mas ele descartou-a com um gesto e ela o deixou em paz. Haviam procurado as mulheres, mas não encontraram nenhum sinal delas. Talvez tivessem sido levadas por saqueadores, talvez também elas tenham adoecido e morrido na floresta. Mas a aldeia não tinha nenhum pajé para falar por eles, e os deuses não os ouviam.
— Fomos amaldiçoados.

Na série, não tivemos o sarampo na tribo indígena, e já foi mostrado um comportamento mais hostil por parte dos Cherokee, principalmente quando eles são atacados ou ofendidos. Então, dentro da narrativa da série, a vingança dos nativos faz sentido, além gerar grande impacto para os telespectadores, e surpresa para quem leu.

Agora, para finalizar, vamos conversar sobre Roger. Como na série, nosso querido professor escocês, ao perceber o que sua namorada fez, parte para Inverness para investigar todos os últimos passos de Brianna antes de atravessar as pedras. A diferença aqui é que ela não deixa nenhuma carta para ele. Bree havia enviado uma carta, junto com seus pertences, para Oxford, mas não foi clara como na série. No entanto, observando tudo ali, menos o bracelete e as pérolas, ele deduz o que ela fez. Uma adaptação para seguir a narrativa da série. Veja o trecho:

Roger tentou empurrar a caixa de cima. Se não eram livros, era chumbo. Mas o empurrão revelou a ponta de um envelope cuidadosamente preso com fita adesiva na caixa de baixo. Com alguma dificuldade, conseguiu soltá-lo e rasgou a aba para abri-lo.
‘Você me falou certa vez que seu pai lhe disse que todo mundo precisa de uma história, dizia o bilhete. Esta é a minha. Poderia guardar com a sua?’
Não havia nenhuma saudação ou despedida; apenas a única letra ‘B’, escrita com gestos ousados, inclinados. […]
Duas coisas não estavam. O bracelete de prata que ele lhe dera — e as pérolas de sua mãe.
— Santa mãe de Deus!
Olhou outra vez, só para se certificar, deixando cair os objetos cintilantes e espalhando-os sobre a colcha. Nenhuma pérola. Certamente, nenhum colar de pérolas barrocas escocesas, separadas por contas antigas de ouro. Ela não poderia estar usando-as, não em um congresso de engenharia no Sri Lanka. As pérolas eram uma relíquia de família para ela, não um enfeite. Ela raramente as usava. Eram seu elo com…
— Você não fez isso — ele exclamou em voz alta. — Meu Deus, diga-me que não fez isso!

E você, está curtindo a temporada? Gostou do episódio? Conta pra gente as mudanças que sentiu falta. Ah! Só coloca um avise se seu comentário tiver algum spoiler! 😉

4 - Os Tambore do Outono VU

Curta nossa página no Facebook, conheça nosso grupo, Apaixonados Por Outlander, nos siga no Twitter e Instagram. Inscreva-se no nosso canal do Youtube.

 


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s