O dia que eu imitei a Claire e acabei no Pronto Socorro

Quem não sonharia em usar o anel de casamento da Claire?

Olá minhas queridas (e queridos) sassenachs deste lindo Brasil! Estou de volta com mais uma história sobre nossa obsessão com Outlander! Se você é como eu, todas as pessoas que lhe conhecem sabem que você gosta de Outlander (“gosta”, hah! Gosta é pouco!!!). Pois bem, meu irmão, que mora no Canadá, sabe que eu sou uma apaixonada por Outlander, e por isso ele me deu de presente de Natal o anel de casamento da Claire, o oficial, da Sony Pictures, que foi feito de uma chave derretida de Lallybroch (eu sei, eu sei que é mentira, mas não estrague minha ilusão, please!). Ele comprou o anel pela internet e enviou pro Brasil via um amigo que estava vindo visitar a terrinha. O amigo chegou no Brasil e me enviou o presente pelos correios.

Como eu moro no fim do mundo, depois de onde Judas perdeu as botas, e o correio não chega até minha rua *literalmente* (é verdade, a moça da agência dos correios me confirmou que o carteiro não chega até minha rua!), eu dei o endereço da minha super hiper querida amiga Polly, que mora na Capital, para que o amigo do meu irmão enviasse o presente para o endereço da minha amiga. Qual não foi minha surpresa (e alegria) quando, por coincidência, exatamente no mesmo dia que eu estava na Capital e almocei com minha amiga, ao chegar na casa dela, havia um pacote dos correios com o meu presente de natal dentro!!! Agora preste atenção porque esse detalhe é muito importante! Eu estava na casa da minha amiga, na Capital, a 76km da cidade onde eu moro (e onde NÃO tem hospital com emergência, nem bombeiros).

A primeira coisa que eu fiz ao abrir o pacote e ver o que era foi surtar e dar uns gritos que assustaram todos os gatos e os cachorros que moram na residência (além dos pets dos vizinhos). Logo em seguida, eu tirei fotos de tudo: da caixa fechada, da caixa aberta, do anel na caixa, do anel fora da caixa, e do anel na minha mão (fotos logo abaixo). Primeiro eu tentei colocar o anel na mão direita, mas como não entrou no dedo anelar com facilidade, tirei minha aliança de casamento da mão esquerda e coloquei a da Claire!

Depois foi a hora de surtar com as meninas da PG e do grupo no Whatsapp. Minha amiga sugeriu que eu usasse as duas alianças juntas no mesmo dedo, o que eu logo rejeitei porque a aliança da Claire merece um dedo exclusivo!!!

Caixa Fechada
Caixa Aberta
Anel fora da Caixa
Anel na minha mão esquerda

Quando eu já estava para ir embora da casa da Polly e enfrentar os 76km de estrada pra chegar em casa, eu decidi que queria muito usar o anel na minha mão direita, igual a Claire. Minha aliança de casamento é de ouro amarelo, praticamente igual à que a Claire usa na série por conta de seu casamento com Frank, e eu pensei, “não seria bárbaro se eu usasse a minha aliança normal na mão esquerda, como sempre, e a da Claire na mão direita?” Uma pro meu marido de verdade, e outra pro meu book husband (marido de livro, Jamie fofo!) Então eu nem pensei duas vezes! Eu sabia que o anel ficava apertado no dedo da mão direita, mas coloquei um pouco de saliva e forcei o anel a passar pela articulação do dedo, dei tchau pra galera, entrei no meu carro e tomei a estrada.

Uns 5 minutos após sair, eu comecei a sentir um desconforto no dedo, que estava começando a inchar, e decidi que seria melhor tirar o anel. Puxei, rodei, empurrei pra cima, empurrei pra baixo, rodei o anel em volta do dedo, nada de ele sair. Peguei um creme pras mãos de dentro da bolsa e taquei no dedo. Esfreguei beeeeem pra ficar escorregadio. Repeti o processo de puxar, rodar, empurrar, e nada. Decidi parar num posto de gasolina para abastecer e utilizar o banheiro. Vai que água e sabonete funcionam melhor que creme para mãos, não é mesmo?

Água e sabonete não funcionaram melhor que o creme para mãos. A essas alturas, eu já estava ficando tensa. Sem pensar duas vezes, agarrei um frasco de azeite de oliva chileno que tinha comprado, abri, e despejei sobre minha mão direita. Um anel tem que sair com azeite de oliva, né??? Eu ainda estava no posto de gasolina, então pude me dedicar total e exclusivamente a extrair o anel da mão direita.

O anel NÃO saiu com o azeite de oliva. Eu decidi, naquele momento, que seria imprudente pegar a estrada até minha cidade, entrei no carro e voltei pra casa da minha amiga. Duas cabeças pensam melhor do que uma, né não? Minha amiga imediatamente falou da técnica do fio dental, ou linha de costurar. Até assistimos o procedimento no Youtube. Se você nunca ouviu falar, aqui está o video:

Como tirar um anel apertado

Tentamos com um fio dental umas duas vezes. Sem obter sucesso, minha amiga chamou uma de suas vizinhas, que é enfermeira, para nos dar uma ajuda. A vizinha tentou a técnica do vídeo acima mais duas vezes, desta vez com uma fita de cetim. Meu dedo já estava deste jeito:

Mais inchado que leitão mamando deitado!

A vizinha enfermeira me orientou a manter a mão para cima e ir para o Pronto Socorro. Sim, naquele momento, tanto minha amiga, quanto a vizinha já estavam convencidas de que precisávamos de ajuda profissional. Só para não dar o braço a torcer, tentamos imergir minha mão numa bacia com água gelada e gelo, a fim de que o inchaço diminuísse. NÃO adiantou. Numa última tentativa, pedimos conselho a outra vizinha, que tinha acabado de chegar em casa, e que tem formação médica. Ela me fez várias perguntas, incluindo se minha mão estava latejando, se estava doendo, e se eu estava sentindo toque em determinadas regiões do braço. Ao ouvir “perigo de gangrenar” eu me assustei bastante, mas a médica me garantiu que eu ainda tinha circulação no dedo. Graças a Deus minha amiga pôde dirigir para mim e me levar até ao hospital, assim eu mantive minha mão para cima com um pacote de gelo em volta da mão para ajudar no inchaço. Ao chegarmos no hospital, me dirigi até à emergência e perguntei se eles me atenderiam (vai que aquele hospital não tem meios de cortar um anel, não é?). A atendente chamou um enfermeiro, que chamou outro. Já naquele momento comecei a notar o povo tentando não rir. Realmente, não é todo dia que alguém aparece com um anel preso no dedo. Fiz meu registro com a recepção e fui até o enfermeiro responsável pela triagem, o qual me colocou no nível “verde: idosos e situações especiais” (há outras duas cores antes do verde, o vermelho e o amarelo, e uma cor após o verde, o azul, para casos não urgentes). Em menos de 5 minutos fui chamada para a sala da emergência ortopédica.

Urgência verde, para idosos e situações especiais

O médico ortopedista da emergência olhou minha mão e disse ao enfermeiro que eles precisariam de um instrumento do centro cirúrgico para cortar o anel. O enfermeiro, muito simpático, me perguntou o que havia acontecido, ao que eu respondi, tentando não me enrolar igual a Dilma quando vai explicar alguma coisa, que aquele anel era um presente, (recem recebido!) e que era baseado num seriado de TV, muito romântico por sinal, etc. etc. Enquanto esperávamos, minha amiga me disse que vieram umas quatro pessoas enfiar a cabeça na sala e perguntar “o que era que tinha acontecido”. Queriam era rir da minha cara, eu sei….

Lá pelas tantas chega o enfermeiro com o “instrumento” do centro cirúrgico, nada mais nada menos que um alicate chamado “Ricardinho”. Eu preferiria estar brincando com vocês, mas o alicate estava devidamente enrolado e empacotado com uma etiqueta que dizia “Ricardinho” e o setor do hospital ao qual ele pertencia. Perguntamos ao médico por que tal alicate se chamava Ricardinho, e ele disse que também havia o “Ricardão”. Eu ainda não estava muito convencida da veracidade dessas informações, mas a Nayara gênia, quando lhe contei o ocorrido, confirmou, após rápida pesquisa na internet, que esses alicates tem, sim, esse nome peculiar.

Para quem, como eu, ainda ficou na dúvida

Bom, tendo o “Ricardinho” a postos e o enfermeiro com uma injeção de xilocaína pronta pra anestesiar meu dedo, eu estava preparada para ter o anel da Claire retirado da minha pessoa. Achei que fosse o médico que havia me recebido que faria o procedimento, mas qual não foi a minha suspresa quando um outro médico, todo de azul, chegou mandando no pedaço e dizendo, “já tentaram tirar o anel com a técnica do fio?” Eu queria morrer quando vi o médico recém chegado pegar uma fita de gaze e começar a enrolar em volta do meu dedo…. Ele tinha saído de cirurgia e devia estar cheio de adrenalina. Não é preciso dizer que o anel NÃO saiu, e que eu vi estrelas de tanta dor que senti enquanto o Sr. Cirurgião tentava provar para os presentes que ele era o cara.

Como se não bastasse ter me feito sofrer tentando arrancar o anel do meu dedo, o Sr. Cirurgião nem esperou o enfermeiro me dar anestesia, foi pegando o Ricardinho e cortando meu anel. Eu gostaria de dizer que eu senti extrema tristeza ao ter a aliança da Claire cortada, mas após quase 2h com aquilo apertando meu dedo, tudo o que eu senti foi alívio. Mas não antes de o Sr. Cirurgião tentar arrancar o anel à força após tê-lo cortado uma vez. O anel NÃO abria de jeito nenhum, necessitando um segundo corte para retirá-lo do meu dedo. Doeu MUITO enquanto o médico manuseava meu dedo durante o procedimento. Assim estava minha mão meros momentos antes de o anel ser cortado:

O dedo ASSIM e o Sr. Cirurgião tentou a técnica do fio

Com o anel da Claire dividido em dois e meu dedo anelar direito finalmente livre, agradeci a todos da sala de emergência, principalmente aos enfermeiros que foram MARA, e ao médico plantonista também, e um pouco relutantemente, mas com gratidão no coração, ao Sr. Cirurgião. Ao que parece, só um cirurgião é quem pode manusear esses instrumentos. Humpf! Ao menos ele não cortou meu dedo, né?

Lições aprendidas: Deus cuidou de mim, pois se eu tivesse ido pra minha cidade e fosse na unidade básica de saúde, ou até mesmo no hospital municipal da cidade vizinha, eles me encaminhariam pra Capital, pois aqui não há centros cirúrgicos. E acreditem, se eu tivesse recebido o anel aqui onde eu moro, eu TERIA tentado enfiá-lo na mão direita só pra ficar igual à Claire, pois eu sou teimosa e, aparentemente, TANSA! Segunda lição, NÃO tente forçar um anel a entrar no dedo se ele apresenta resistência. Se você começar a inchar e sentir que sua aliança ou anel (anéis) começarem a ficar apertados, retire-os o mais rápido possível. A técnica do fio, que aparece no vídeo acima, funciona se o dedo não tiver inchado drasticamente, como ocorreu comigo. Terceira lição, é bobagem querer ser igual à Claire, pois só ela tem o Jamie. Quarta lição, tenho certeza que o pessoal do hospital morreu de rir da minha cara, e eu ri junto. É um caso de rir para não chorar!

Notícias do anel: Minha amiga querida Polly ficou com ele para levá-lo a um local na Capital para que seja consertado, agora num tamanho maior para caber na mão direita. A pergunta é, terei eu coragem de colocá-lo no dedo que correu risco de gangrena??? Ahhhh! O meu irmão, que me deu o presente, ficou literalmente sem saber o que dizer após ser informado do ocorrido. Depois de ficar sem fala, tudo o que ele conseguia digitar era, “mana, PQP!!!!”

E você, já “aprontou alguma” por causa de Outlander a ponto de ter que ir para o hospital? Conte pra gente nos comentários!


2 comentários sobre “O dia que eu imitei a Claire e acabei no Pronto Socorro

  1. Querida, você é ótima contando sua história. Ri (com dó no coração por você) muito.
    Que bom que não teve consequências piores.
    Beijos no coração

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s