Fanfic – Histórias da Colina Fraser – Capítulo 7: De volta para casa

Fanfic | Capítulo 6

Janeiro de 1765 – a caminho de Lallybroch – Escócia

Chovia e fazia muito frio. Sim, ela estava na Escócia e novamente no século XVIII. Mas desta vez, Claire não viera sozinha e apesar do medo do que poderia encontrar, ela sentia o calor do corpo de suas filhas ao seu lado e sentia-se reconfortada.

Elas alugaram uma pequena diligência depois de chegarem à gráfica de A. Malcolm que ficava no Beco Carfax em Edimburgo e descobriram através do ajudante  Geordie, um sujeito baixo e mal humorado de cabelos pretos, que primeiro ficou uns bons minutos a  medindo de cima a baixo como se ela estivesse nua, para depois ficar de olhos arregalados e com a boca aberta ao notar a altura e cabelos de Faith e Brianna respectivamente, além é claro da semelhança com o senhor A. Malcolm. Com certa relutância ele nos informou que o impressor em questão, o Sr. A. Malcolm havia saído mais cedo para resolver assuntos pessoais com sua família em Lallybroch.

Então, as três tomaram o caminho para Lallybroch. Claire sentia o coração prestes a saltar pela boca ao imaginar como seria reencontrar Jamie. Será que ele ainda a amava e sentia a sua falta da mesma forma como ela sentia a dele? Ou será que ele a havia esquecido e tinha uma nova família e um novo amor? Ela sentiu uma  dor passar pelo seu coração e depois sentiu um gosto amargo descer pela sua garganta deixando a sensação que uma faca acabara de abrir um antigo machucado, que depois ela reconheceu como ciúmes, algo que ela não sentia há muito tempo. Mas ela não podia exigir nada dele. Ela tivera uma vida ao lado de Frank e quem sabe quantos amores ele não tivera nesses anos todos. Sim, ela não podia exigir nada dele, mas nem por isso a sensação amarga diminuía. 

Dezenove anos se passaram e somente há um ano ela descobrira que ele estava vivo. E graças à ajuda de Roger que se empenhara totalmente na busca por Jamie. É claro que o principal motivo para tanto empenho de Roger sempre fora Brianna, os dois estavam apaixonados desde o primeiro momento em que foram apresentados. Ela sorriu ao lembrar de Roger sempre tão empenhado em buscar James Fraser e pensar que tudo isso só fora possível através de Frank. Dessa vez o sorriso foi melancólico ao pensar em Frank. Dois meses após a sua morte, Faith achou duas cartas – uma para ela e Brianna e outra para mim – em um dos livros dele e que estavam em uma pasta em seu escritório com um bilhete que dizia simplesmente: Para as minhas meninas.

Casa dos Randall Boston – Eua – Março de 1965

– Ah, finalmente você chegou! – Claire estava cansada depois de um dia cheio no hospital e ansiava muito com um banho quente em sua banheira. Ela nem havia tirado o casaco ainda quando percebeu que Faith a esperava sentada no sofá parecendo muito ansiosa, já Brianna estava de pé com os braços cruzados e lembrando muito uma chaleira em plena ebulição.

– Aconteceu alguma coisa meninas? – Claire perguntou preocupada.

– Além de você ser uma prostituta e mentirosa, nada! – Brianna vociferou de uma vez. Claire olhou chocada para Brianna e sentiu como se tivesse levado um tapa com toda força em seu rosto.

Bree... o quê…

– Oh, mamãe… é verdade o que papai Frank escreveu naquela carta? – Faith levantou e já estava abraçando Claire – Eu vim do passado mesmo?

Frank? Mas que carta?

– Esta aqui – Brianna levantou uma carta já amassada provavelmente de tanto que elas leram e a releram. – Que papai conta como você sumiu por três anos e depois voltou grávida e louca com uma história absurda de viagem no tempo, casada com um guerreiro escocês e que ele foi o nosso pai. Você traiu o papai! – Brianna gritou essas palavras com raiva enquanto chorava e lembrava em muito os ataques que o pai dela, Jamie, tinha.

– Chega Bree! – Faith virou para a irmã e falou com firmeza. – Você leu a carta de papai e você entendeu muito bem o que ele escreveu. Ele também não acreditou na história e achou que mamãe estivesse maluca, mas ele era um historiador e depois foi pesquisar até descobrir que realmente no século XVIII existiu um guerreiro escocês chamado James Fraser, mas o que realmente deu certeza a ele de que a  história era verdadeira foi encontrar a certidão de casamento de vocês, mamãe – Faith sorriu para Claire e logo em seguida abraçou Brianna. Depois olhando diretamente nos olhos da irmã falou:

Bree, você sabe que eu a amo demais e entendo o quanto você está chocada com tudo isso. Eu também estou muito. É claro que você precisa do seu tempo para entender tudo isso e eu também porque tudo é uma loucura. Mas eu não vou deixar você tratar ou falar assim com mamãe, ouviu? Nós ouvimos o lado do papai e agora vamos ouvir o lado de mamãe – Faith virou para Claire sorrindo e com uma carta nas mãos. – Papai deixou isso para você, mamãe.

Claire segurou tremendo a carta nas mãos, sentou-se e leu em voz alta, afinal, não deveria ter tantos segredos que Frank não tivesse contado à elas.

Claire

Provavelmente quando você ler esta carta, eu não estarei mais vivo e finalmente o câncer terá me levado embora. Eu sempre a amei Claire. Claro que quando você voltou depois daqueles três terríveis anos em que você desapareceu, eu primeiro achei que você me traíra e teve um romance quando apareceu grávida e com Faith nos braços, eu fiquei dilacerado e morto de ciúmes. Os dias passaram e você continuava com mesma história louca de viagem no tempo, do  casamento com um escocês das terras altas, mas você parecia tão triste como se realmente estivesse de luto com a sua perda. E você tinha as meninas. Claire, eu sempre fui um covarde e nunca tive coragem de contar que o problema era meu, eu sou estéril e jamais poderia um dia ter um filho, mas você me deu a oportunidade de ser pai e poder amá-la novamente. Eu sei minha querida que você disse que eu fui o seu primeiro amor, mas que agora seria impossível me amar novamente depois de conhecer o amor como você conheceu. Nós tentamos fazer esse casamento dar certo até os oito anos de Faith e os quase seis de Brianna, mas você chegou um dia e direta como sempre foi, me disse que não aguentava mais viver daquela forma, por isso queria a separação. Eu sabia que nosso cassamento tornara-se um fracasso e eu sei que você sabia que mesmo tentando ser discreto, eu tive outras mulheres. Eu também sei que você jamais me separaria das meninas, pois você sempre foi uma pessoa leal, mas eu também sempre fui menos corajoso do que você e não poderia viver sem você e principalmente sem Faith e Brianna. A convenci de que o mundo não seria nada agradável para uma mãe desquitada com duas meninas pequenas e como você estava bravamente fazendo a sua faculdade de medicina, eu me ofereci para ficar com as meninas e assim pude ficar mais tempo com elas sendo pai. Talvez, eu tenha sido além de covarde um egoísta também, mas eu precisava desesperadamente de você comigo. E sobre a sua louca história  de viagem ao passado, eu como historiador fui pesquisar e descobri que você nunca mentiu. O maldito escocês James Alexander Malcolm Mackenzie Fraser,  realmente existiu e você realmente casou com ele, eu encontrei uma certidão de casamento e outros documentos com o seu nome e sua letra. Eu não parei de procurar mais e fiz algumas descobertas. Lembra do meu amigo o Reverendo Wakefield lá de Inverness? Ele me ajudou muito nas pesquisas, você deve lembrar que ele faleceu há dois anos, mas deixou o seu filho Roger Wakefield que hoje é professor em Harvard  responsável em dar continuidade as pesquisas. Você encontrará no envelope um cartão com os dados dele, ele está ciente de tudo e à espera do seu contato. Durante esse tempo eu criei e trenei as meninas para sobreviverem em um mundo bem distante do nosso. Elas sabem acampar, andar a cavalo, atirar e usar uma faca para limpar uma caça. Brianna sempre foi melhor do que Faith nessas atividades e talvez ela tenha puxado o lado selvagem do pai biológico, já Faith herdou o jeito direto de falar tudo o que pensa na cara como você. Mas eu sei que elas me amam e sempre me amarão. Claire, eu confesso que não fui honesto com você, já você nunca mentiu e sempre foi honesta comigo. Disse que o único sentimento que poderia me dar seria a amizade e mesmo a amando com todo o meu coração, eu aceitei em viver esses últimos anos só como amigos. E você foi uma ótima amiga e companheira. Tornou-se uma médica super competente e a melhor de todas as mães, acredito que nós dois fizemos um bom trabalho, apesar de nem sempre concordarmos. Eu mais resistente às mudanças e você como sempre independente e progressista. Afinal, nunca fui capaz de contê-la e sempre achei que você fosse uma força da natureza. Nesses últimos meses de doença, você nunca saiu do meu lado e foi a melhor doutora que um doente poderia querer, além da mais fiel amiga. Não sinto que desperdicei minha vida, se tivesse encontrado outro amor, eu teria ido atrás dele, mas fui feliz com a nossa vida. Eu mais uma vez confesso que fui o mais egoísta dos homens, e, nunca consegui deixar você ir. Mas preciso consertar isso e pedir perdão. Continue a sua procura e confie no que eu digo: você e as meninas podem voltar pelas pedras e também viverem no passado. Eu sei. Claire eu sempre te amei, adeus.

P.S.: Claire eu disse que fui um grande egoísta. James Fraser está vivo!”

–  Jesus H. Roosevelt Christ! – Claire falou chocada e segurando a carta em suas mãos que tremiam muito.

– Sim mamãe, ele está vivo! – Faith foi até Claire e a abraçou chorando. – James Fraser é o nosso pai?

– Não, não é… nós já temos um pai… e isso é loucura, não é possível que seja verdade! – Brianna falou, mas sem a mesma convicção de antes.

– Sim Faith, Jamie é o pai de vocês – ela olhou para Brianna e levantou a mão antes que sua filha a interrompesse. – Eu vou contar tudo o que vocês quiserem saber e não vou esconder mais nada de vocês, mas vocês precisam saber que eu jamais quis deixar Frank. Eu tentei voltar de todas formas para o nosso tempo e tentei resistir o máximo que eu pude, mas foi impossível não se apaixonar pelo Jamie. Ele sempre foi irresistível e apaixonante, e o nosso amor foi o maior sentimento que eu já senti em minha vida.

– Como você quer que eu acredite nisso, mamãe? – Brianna perguntou chorando enquanto se levantava e abraçava Claire também.

– Eu não sei Bree, como farei vocês entenderem isso – Claire enxugou as lágrimas que caíam pelo rosto de sua filha e mais uma vez viu os mesmos olhos azuis, a mesma bela fisionomia e os cabelos sedosos e vermelhos de Jamie. – Mas eu preciso falar tudo o que eu não pude falar durante esses 18 anos sobre o seu pai e a nossa história de amor.

E naquela noite as três passaram acordadas bebendo chá e um bom uísque que Frank deixava guardado em um armário do seu escritório. Claire contou tudo para suas filhas. O casamento com Frank aos 18 anos, a separação de anos por causa da guerra, a segunda lua de mel na Escócia, Craig Na Dum, os rebeldes escoceses, ela de prisioneira, espiã à esposa de Jamie, ele se oferecendo  para salvar a sua vida e não ser enviada ao odioso Black Jack. Como Jamie era um jovem cavalheiro adorável e como a conquistou. O julgamento das bruxas, a outra viajante do tempo Geillis Duncan, Lallybroch e Jenny a irmã de Jamie, a captura de Jamie e o estupro. A vida deles em Paris, o plano para impedir o Príncipe Charles de conseguir dinheiro para fazer a rebelião jabobita. O nascimento de Faith, a volta para a Escócia, Jamie sendo declarado como traidor e tendo que lutar no levante. A guerra chegando, a descoberta da segunda gravidez, desespero com a derrota e tristeza em ver que tudo estava perdido. Jamie as mandando de volta através das pedras para a segurança do nosso mundo e ele ficando para morrer.

– Vocês não imaginam como foi difícil deixá-lo lá para morrer… mas… havia você Faith, tão pequena e frágil, e você Bree que eu nem sabia se era menina ou menino. Nós não conseguiríamos sobreviver naquele mundo tão violento de guerra. Eu era a esposa e vocês as filhas de um traidor da Coroa. Jamie sabia e como um maldito herói que era, ele se sacrificou por nós. Naquele dia, uma parte de mim morreu com ele naquelas pedras.
Claire falou aos prantos às filhas.

– Vocês entendem que seu pai, Jamie Fraser, se sacrificou por nós? Tudo o que ele fez… foi por amor a nós! Vocês entendem isso?

– Sim mamãe, mas James, o nosso pai está vivo e podemos achá-lo! – Faith falou animada.

– Sim, Jaime está vivo! – Claire falou sorrindo e com um brilho que há muito tempo não surgia em seus olhos.

– Mas antes de qualquer coisa ou de que saiamos atrás desse James FraserBrianna falou decidida. – Eu preciso antes conhecer essas pedras na Escócia e descobrir se também posso escutá-las.

-Sim mamãe eu também preciso – Faith também falou animada.

-Então vamos para a Escócia!

“Claire pensou por um momento em tudo o que ela e Jamie passaram nos últimos meses. Pensou também em como enfrentaram e conseguiram superar os traumas. Estavam mais unidos do que nunca.
#Outlander #Fanfic
https://outlanderlsbrasil.wordpress.com/2019/06/05/historias-da-colina-fraser-capitulo-08-o-casamento/

Fanfic | Capítulo 8

Curta nossa página no Facebook, conheça nosso grupo, Apaixonados Por Outlander, nos siga no Twitter e Instagram. Inscreva-se no nosso canal do Youtube.


2 comentários sobre “Fanfic – Histórias da Colina Fraser – Capítulo 7: De volta para casa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s