Livro vs Série – 2×12 – The Hail Mary

Queridas e queridos apaixonados por Outlander, chegamos ao penúltimo episódio da segunda temporada, que traz nossos heróis praticamente às portas de Culloden Moor. Preciso dizer que estava ansiosa por este episódio. Por quê? Simples, agora eu posso colocar ordem no parquinho!! Se você está nos acompanhando por toda essa temporada, então sabe que uma das principais mudanças que apontamos foi a organização dos fatos que ocorreram ao longo da temporada. Foram alterações na ordem dos fatores, que no fim vão trazer o mesmo resultado. Não detalhei a timeline antes, pois não queria dar spoiler para ninguém (vai que você é uma nova Sassenach, que só descobriu essa série maravilhosa agora e tá acompanhando aqui com a gente hehehe).

Vamos então para o que interessa, antes de entrar nos detalhes das adaptações específicas desse episódio, confira a ordem dos fatores de acordo com livro, que tem uma base maior para intercalar as histórias, dando mais sentido a elas, do que a TV. Confira a ordem dos fatores de forma resumida, lembrando que se transcorram meses entre alguns acontecimentos.

  • Batalha de Prestonpans
  • Edimburgo (Palácio de Holyrood)
    • Colum e os MacKenzie
    • Black Jack e Alex
  • Toca da Raposa (ficando dois meses lá)
  • Volta a Edimburgo
    • Alguns problemas com os homens de Jamie
    • Alex e Mary (que passaram os últimos dois meses juntos)
  • Batalha de Falkirk (e todos os incidentes do último episódio)
    • duque de Sandringham
  • Volta a Edimburgo (de novo)
    • Alex muito mal de saúde agora, revendo Mary, e de novo Black Jack (casamento)
  • Depois seguimos para a retirada à invernes, em direção a Culloden

As maiores mudanças da timeline que dizem respeito a esse episódio é presença dos MacKenzie e, sobretudo, a história envolvendo Alex Randall, que no livro dura meses, e vai alternando com demais narrativas. Uma curiosidade, como série, o capitão Randall paga Claire pelos cuidados com seu irmão com informações úteis sobre o exército inglês, isso ao longo de semanas. Claire repassava, então, as informações para Jamie e para o líder de inteligência do príncipe, porém sem revelar a eles sua fonte. Ela dizia que sabia em forma de boatos que ela ouvia em suas andanças como curandeira pela cidade. Confira um trecho da vida de espiã de Claire:

— Descobriu mais alguma coisa hoje, mo duinne? — perguntou-me ele quando entrei. Tinha um despacho parcialmente redigido diante de si e enfiou a pena no tinteiro para molhá-la de novo. Tirei o capuz úmido dos cabelos com um estalido de eletricidade estática, meneando a cabeça afirmativamente.
— Há um boato de que o general Hawley está formando unidades de cavalaria no sul. Ele tem ordens para a formação de oito regimentos.
Jamie rosnou. Considerando-se a aversão dos escoceses das Terras Altas à cavalaria, essa não era uma boa notícia. Distraidamente, esfregou as costas, onde a contusão feita pela pata de um cavalo em Prestonpans ainda não havia desaparecido.
— Registrarei isso para o coronel Cameron, então — disse ele. — Até que ponto acha que o boato pode ser verdadeiro, Sassenach? — Quase automaticamente, ele olhou para trás, para certificar-se de que estávamos a sós. Ele agora só me chamava de Sassenach quando estávamos nós dois, usando a formalidade de “Claire” em público.
— Pode apostar nele — disse. — Quer dizer, acho que é verdadeiro.
Não se tratava em absoluto de um boato; era a mais recente informação da inteligência britânica, fornecida por Jack Randall, a mais nova prestação do pagamento da dívida que ele insistiu em assumir para que eu cuidasse de seu irmão.
Jamie sabia, é claro, que eu visitava Alex Randall, assim como todos os doentes do exército jacobita. O que ele não sabia, e que eu jamais poderia lhe contar, era que uma vez por semana — às vezes, com mais frequência — eu me encontrava com Jack Randall para tomar conhecimento das notícias que se infiltravam no Castelo de Edimburgo, provenientes do sul.
Às vezes, ele ia ao quarto de Alex quando eu estava lá; outras vezes, eu voltava para casa na penumbra do crepúsculo de inverno, andando com cuidado pelas pedras escorregadias do calçamento da Royal Mile, quando repentinamente um vulto empertigado como uma vara, em roupas de tecido rústico marrom, acenava da entrada de um pátio ou uma voz calma surgia da neblina atrás do meu ombro. Era assustador; como ser assombrada pelo fantasma de Frank.
Seria bem mais simples para ele deixar uma carta no alojamento de Alex, mas ele não colocava nada por escrito e eu conseguia entender sua cautela. Se tal carta fosse encontrada, mesmo sem assinatura, poderia comprometer não só o próprio Jack, como Alex também. No momento, Edimburgo fervilhava de estranhos; voluntários para o estandarte do rei James, visitantes curiosos do sul e do norte, enviados estrangeiros da França e da Espanha, espiões e informantes em abundância. As únicas pessoas nas ruas que não eram de fora eram os oficiais e homens da guarnição militar inglesa, que permanecia reclusa no castelo. Desde que ninguém o ouvisse conversando comigo, ninguém o reconheceria pelo que ele era, nem acharia nada de estranho em nossos encontros, ainda que fôssemos vistos — e raramente o éramos, tais eram suas precauções.
De minha parte, estava igualmente satisfeita; eu teria tido que destruir qualquer coisa colocada por escrito. Embora eu duvidasse que Jamie reconhecesse a caligrafia de Randall, eu não poderia explicar uma fonte regular de informações sem mentir abertamente. Era bem melhor fazer parecer que as informações que ele me dava eram somente parte da coleção de novidades que eu adquiria nas minhas rondas diárias.
A desvantagem, é claro, era que ao tratar as contribuições de Randall à mesma luz dos outros boatos que eu coletava, elas podiam ser menosprezadas ou ignoradas. Ainda assim, embora eu acreditasse que Randall estivesse fornecendo informações em boa-fé — presumindo-se que fosse possível manter tal conceito em relação ao sujeito —, não significava necessariamente que estivessem sempre corretas. Nem que devessem ser encaradas com ceticismo
.”

Depois de algum tempo, Jamie e Claire vão em busca das tropas de lord Lovat, e demoram alguns meses para voltar, e têm outros problemas para atender em Edimburgo, porém é ali que Claire reencontra Mary, que a recebe calorosamente e pede a ajuda da amiga com Alex. Voltando a tratar de Alex, sempre que encontra Black Jack o capitão honra a palavra e fornece informações sobre o exército para nossa enfermeira. Já a série optou por dividir as narrativas. Por exemplo, colocando a história de lord Lovat logo no começo da revolução, e ao mesmo tempo mostrando o posicionamento MacKenzie.

Falando nos MacKenzie, como podemos perceber sua presença no livro é diferente da série. A adaptação optou por dividir os momentos, um no início da batalha, com Colum se colocando como neutro e Dougal indo lutar com alguns homens, e agora próximo ao fim que traz uma união das famílias e outras discussões. No livro, temos um único o momento chave, que ocorre pouco após Prestonpans, quando estão todos hospedados no palácio de Holyrood. Colum aparece com alguns de seus homens e o irmão, em busca de reconciliação com o sobrinho. Ele também pede a Claire ajuda para ter uma morte rápida, isso não muda. A principal diferença aqui é que não há discussão quanto ao futuro dos MacKenzie, tutela e etc. Colum conversa sobre o passado, seu relacionamento com os pais de Jamie, e no fim pede o conselho de Jamie quanto a se envolver na batalha, que ainda se encontrava em seu percurso inicial, ou não. Nosso ruivinho é sincero e diz ao tio que deve manter seus homens em Leoch. Porém antes de comunicar sua retirada ao príncipe, Colum morre de forma natural, então Dougal assume a liderança do clã e entra na batalha com seus homens. Confira um trecho da conversa com Jamie e da morte de Colum:

Colum soltou a respiração num longo suspiro.
— Portanto, rapaz, foi por isso que eu quis falar com você. Devo decidir, sabe, se os MacKenzie de Leoch ficam do lado do rei James ou do rei George. — Sorriu melancolicamente. — É um caso, eu acho, do diabo que você conhece contra o diabo que não conhece, mas é uma escolha que preciso fazer.
— Dougal… — começou Jamie, mas seu tio interrompeu-o com um movimento brusco da mão.
— Sim, eu sei o que Dougal pensa. Ele tem me importunado com isso nos últimos dois anos — disse ele com impaciência. — Mas eu sou o MacKenzie de Leoch e cabe a mim decidir. Dougal obedecerá ao que eu disser. Queria saber o que você me aconselharia a fazer, em nome do clã cujo sangue corre em suas veias.
Jamie ergueu os olhos, azul-escuros e impenetráveis, protegidos contra o sol da tarde que iluminava seu rosto.
— Eu estou aqui, e meus homens comigo — disse ele. — Minha escolha é evidente, não?
Colum remexeu-se de novo em sua posição, a cabeça inclinada atentamente para seu sobrinho, como se quisesse captar quaisquer nuances de voz ou expressão que pudessem lhe dar uma pista.
— É mesmo? — perguntou ele. — Os homens empenham sua fidelidade por inúmeras razões, rapaz, e poucas têm a ver com as razões que alegam em voz alta. Eu conversei com Lochiel, Clanranald, Angus e Alex MacDonald de Scotus. Pensa que estão aqui apenas porque acham que James Stuart é seu rei legítimo? Agora, eu queria conversar com você… e ouvir a verdade, em nome da honra de seu pai.
Vendo Jamie hesitar, Colum continuou, ainda observando atentamente o sobrinho:
— Não pergunto por mim mesmo; se você tem olhos, pode ver que a questão não vai me preocupar por muito tempo. Mas por Hamish, o garoto é seu primo, lembre-se. Se haverá um clã para ele liderar, quando atingir a idade… então tenho que fazer a escolha certa agora.
Parou de falar e permaneceu imóvel, a cautela habitual em suas feições agora abandonada, os olhos acinzentados abertos e atentos.
Jamie permaneceu tão imóvel quanto Colum, paralisado como o anjo de mármore na sepultura atrás dele. Eu conhecia o dilema que o preocupava, embora nenhum sinal transparecesse no rosto austero e cinzelado. Era o mesmo que enfrentáramos antes, escolhendo vir com os homens de Lallybroch. A revolta de Charles equilibrava-se no fio de uma faca; a adesão de um clã das dimensões dos MacKenzie de Leoch poderia incentivar outros a se unirem ao precipitado Jovem Pretendente e levá-lo à vitória. Mas se ainda assim terminasse em fracasso, os MacKenzie de Leoch poderiam muito bem deixar de existir.
Finalmente, Jamie virou a cabeça deliberadamente e olhou para mim, os olhos azuis fitando os meus sem vacilar. Você tem participação nisso, dizia seu olhar. O que devo fazer?
Eu podia sentir os olhos de Colum sobre mim também, e senti mais do que vi o arqueamento das sobrancelhas espessas e escuras num ar de interrogação. Mas o que eu via na minha mente era o jovem Hamish, um garoto ruivo de dez anos de idade que se parecia tanto com Jamie que poderia ser seu filho, em vez de seu primo. E o que a vida poderia ser para ele e para o restante do clã se os MacKenzie de Leoch apoiassem Charles em Culloden. Os homens de Lallybroch tinham Jamie para salvá-los do massacre final, caso a revolta chegasse a esse ponto. Os homens de Leoch não teriam. E, no entanto, a escolha não podia ser minha. Encolhi os ombros e abaixei a cabeça. Jamie respirou fundo e tomou sua decisão:
— Volte para casa em Leoch, tio — disse ele. — E mantenha seus homens lá.
Colum permaneceu imóvel, em silêncio, por um longo instante, fitando-me. Finalmente, sua boca curvou-se para cima, mas a expressão do seu rosto não era exatamente a de um sorriso.
— Eu quase detive Ned Gowan, quando ele partiu para impedir que você fosse queimada na fogueira — disse para mim. — Acho que estou feliz por não tê-lo feito.
— Obrigada — falei, no mesmo tom.
Ele suspirou, esfregando a nuca com a mão calosa, como se ela doesse sob o peso da liderança.
— Muito bem, então. Vou me reunir com Sua Alteza pela manhã e comunicar-lhe minha decisão. — A mão desceu, repousando inerte no banco de pedra, entre ele e seu sobrinho. — Obrigado, Jamie, por seu conselho. — Hesitou, depois acrescentou: — Que Deus os acompanhe.
[…]
Como estávamos hospedados em Holyrood, saímos pela outra porta, no extremo norte da galeria, atravessando as salas de visitas da manhã e da tarde, até a escadaria principal.
O patamar e o alto vão da escada estavam recobertos de tapeçarias, suas figuras turvas e prateadas à luz de velas. E abaixo delas estava a forma gigantesca de Angus Mhor, sua sombra imensa na parede, tremulando como uma das figuras de tapeçaria conforme se agitavam na corrente de ar.
— Meu senhor está morto — disse ele. […]
— Sua Alteza disse — reportou Jamie — que talvez tenha sido melhor assim. — Falou com um tom de sarcástica amargura. — Por causa de Dougal — acrescentou ele, vendo meu espanto e perplexidade diante dessa declaração. — Dougal sempre esteve mais do que inclinado a unir-se a Sua Alteza no campo. Agora que Colum se foi, Dougal é o chefe. E assim os MacKenzie de Leoch marcharão com o exército das Terras Altas — disse calmamente — para a vitória… ou não.

Para finalizar, vamos voltar aos Randall (malditos sejam, segundo Jamie). Uma cena interessante do nosso querido casal que foi cortada na série. Primeiro, no casamento de Mary e Jonathan Randall, Alex pede que Jamie e Claire sejam as testemunhas, e não Murtagh, e como o jovem é um sacerdote no livro, é ele mesmo une a amada ao o irmão. Black Jack aceita a situação com muita relutância, mas o faz pelo irmão, e com menos chilique que na série rs. Depois de tudo, após a breve cerimônia e morte de Alex, nosso casal tem um momento interessante, no qual Jamie tem um ataque de ciúme dos Randall, em especial de Frank. Confira esse trecho:

Tomei um pequeno gole de conhaque com grande satisfação. Queimou minha garganta e os vapores elevaram-se dentro de minha cabeça como neblina nas charnecas, mas eu não me importei.
— Bem — disse, tentando sorrir —, ao menos sabemos que Frank está a salvo, afinal de contas.
Jamie olhou-me, furioso, as sobrancelhas ruivas quase se tocando.
— Dane-se Frank! — disse ele, ferozmente. — Danem-se todos os Randall! Dane-se Jack Randall e dane-se Mary Hawkins Randall e dane-se Alex Randall… hã, que Deus o tenha, quero dizer — corrigiu-se apressadamente, benzendo-se.
— Pensei que você não guardasse rancor… — comecei a dizer.
Ele me fitou com raiva.
— Eu menti.
Agarrou-me pelos ombros e sacudiu-me levemente, segurando-me com os braços estendidos.
— Falando nisso: e dane-se você também, Claire Randall Fraser! — exclamou ele. — Pode ter certeza de que guardo rancor! Tenho ciúmes de cada lembrança sua que não me inclua e de cada lágrima que você verteu por outra pessoa e de cada segundo que passou na cama de outro homem! Danem-se todos!
Ele derrubou o copo de conhaque de minha mão — acidentalmente, creio —, puxou-me para si e beijou-me com força. Afastou-se o suficiente para sacudir-me outra vez.
— Você é minha, Claire Fraser! Minha, e eu não vou compartilhá-la, nem com outro homem nem com uma lembrança, nem com coisa nenhuma, enquanto nós vivermos. Não mencione o nome desse homem para mim outra vez. Você me ouviu? — Beijou-me impetuosamente para enfatizar suas palavras. — Você me ouviu? — perguntou ele, desligando-se bruscamente de mim.
— Sim — disse, com alguma dificuldade. — Se você… parasse… de me sacudir, eu poderia… responder.
Um pouco timidamente, ele soltou as mãos dos meus ombros.
— Desculpe-me, Sassenach. É que… Deus, por que você… bem, sim, vejo por que… mas você tinha que… — Interrompi aquela fala entrecortada e incoerente colocando a mão em sua nuca e puxando sua cabeça para mim.
— Sim — falei com firmeza, soltando-o. — Eu precisava. Mas agora acabou. — Desamarrei meu manto e deixei-o cair dos meus ombros ao chão. Ele inclinou-se para pegálo, mas eu o interrompi. — Jamie — disse. — Estou cansada. Pode me levar para a cama?
Ele inspirou fundo e expirou devagar, fitando-me intensamente, os olhos fundos de cansaço e tensão.
— Sim — concordou ele brandamente, por fim. — Sim.

E nós vamos ficando por aqui. E você Sasse, gostou do episódio, faria algo diferente? Se você é apaixonada por esse mundo, vale a pena expandi-lo para os livros, não acha?? Comente!!

Ah! Semana que vem teremos um livro vs série especial… O season finale da segunda temporada foi um episódio expandido e dividido entre futuro e passado, então, o que esperar da nossa análise?? Aguarde e confie! 😀

Curta nossa página no Facebook, conheça nosso grupo, Apaixonados Por Outlander, nos siga no Twitter e Instagram. Inscreva-se no nosso canal do Youtube.


Um comentário sobre “Livro vs Série – 2×12 – The Hail Mary

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s