Daily Line: Pequenas criaturas ferozes

POSSUI SPOILER DO LIVRO 5 | Leia outros em Trechos da Diana

#DailyLines #ACruzdeFogo #Microscópios #Pequenascriaturasferozes #comumbeloaçoitedecauda

– O que você está fazendo, Sassenach? – disse Jamie, segurando uma torrada em uma mão, parado na porta.

– Vendo coisas – eu disse, ajustando o foco.

– Ah, sim? Que tipo de coisas? – ele entrou na sala, sorrindo. – Não fantasmas, eu espero. Já tive fantasmas suficientes.

– Venha ver – eu disse, afastando-me do microscópio. Ligeiramente intrigado, ele curvou-se e olhou através da lente, fechando o outro olho para se concentrar. Ele apertou os olhos por um momento, depois soltou uma exclamação de surpresa e satisfação.

– Eu estou vendo! Pequenas criaturas com caudas, nadando por toda a parte! – Ele endireitou-se, sorriu para mim com um olhar de deleite, depois inclinou-se imediatamente para observar novamente. Senti uma pontada de orgulho do meu novo brinquedo.

– Não é maravilhoso? Sim, maravilhoso – ele disse, absorvido. – Olhe para elas. Tão pequenas e tão valentes, se empurrando e se contorcendo umas contra as outras, e há uma porção delas. – Ele ficou observando por mais alguns momentos, exclamando baixinho, depois endireitou-se, balançando a cabeça com espanto.

– Eu nunca tinha visto uma coisa dessas, Sassenach. Você já tinha me falado sobre os germes, é verdade, mas eu não podia imaginar! Eu achava que eles teriam dentes pequenininhos, mas eles não têm, e eu nunca soube que eles tinham pequeninas caudas tão bonitas, ou que teria tantos deles nadando.

– Bem, alguns micro-organismos têm – eu disse, movendo-me para olhar novamente pela lente. – Estas pequenas criaturas em particular não são germes, são espermatozoides.

– São o quê? – ele parecia bastante confuso.

– Esperma – eu disse pacientemente. – Células reprodutivas masculinas. Você sabe, aquilo que faz os bebês? – Eu achei que ele iria se engasgar. Sua boca se abriu e um tom rosa muito bonito inundou o seu rosto.

– Você quer dizer a semente? – ele resmungou. – Vigor?

– Bem… sim. – Observando-o de perto, coloquei o chá fumegante em um copo limpo e o entreguei a ele como um reparador. Ele ignorou o chá, porém, fixou os olhos no microscópio como se alguma coisa pudesse saltar da lente a qualquer momento e se contorcer pelo chão aos nossos pés.

– Espermatozoides – ele murmurou para si mesmo. – Espermatozoides. – Ele balançou a cabeça vigorosamente, depois virou-se para mim, pois um pensamento assustador acabava de lhe ocorrer. – De quem são? – ele perguntou, usando um tom sombrio de suspeita.

– Bem… seus, é claro. – Eu limpei minha garganta, levemente envergonhada. – De quem mais seriam?

Em um reflexo, sua mão dirigiu-se para a região entre as pernas e ele agarrou seus órgãos protetoramente. – Como diabos você os conseguiu?

– Como você acha? – eu disse friamente. – Eu acordei em posse deles nesta manhã. Sua mão relaxou, mas um profundo rubor de mortificação manchou suas bochechas escuras. Ele apanhou o copo de chá e engoliu o líquido em apenas um gole, apesar da temperatura.

– Entendo – disse ele, e tossiu. Houve um momento de profundo silêncio. – Eu, hum, não sabia que poderiam permanecer vivos – ele disse, finalmente. – Do lado de fora, eu quero dizer.

– Bem, se você deixá-los em uma mancha no lençol para secar, não – eu disse com naturalidade. – Porém, se evitar que sequem – apontei para o pequeno copo coberto, com uma pequena quantidade de líquido esbranquiçado – eles ficarão vivos por algumas horas. Em um ambiente adequado, eles podem viver até uma semana depois de … serem liberados.

– Ambiente adequado – ele repetiu, pensativo. Lançando um rápido olhar para mim, perguntou – você quer dizer…?

– Sim, isso mesmo – respondi, com alguma austeridade.

– Mmphm. – Nesse momento, ele lembrou-se do pedaço de torrada que tinha não mão e deu uma mordida, mastigando meditativamente. – As pessoas sabem disso? Agora, eu quero dizer?

– Sabem o quê? Como são os espermas? Provavelmente. Os microscópios existem há mais de cem anos, e a primeira coisa que qualquer um com um microscópio de trabalho faz é observar tudo a seu alcance. Já que o inventor do microscópio foi um homem, eu pensaria que sabem… você não?

Ele olhou para mim e deu outra mordida na torrada, mastigando de maneira bem acentuada.  – Eu não chamaria isso de coisas “ao meu alcance”, Sassenach – ele disse, com a boca cheia de migalhas. – Mas eu entendo o que você quer dizer. – Como se compelido por uma força irresistível, ele dirigiu-se ao microscópio, curvando-se para examiná-lo mais uma vez. – Eles parecem ferozes – disse, depois de alguns instantes de inspeção.

– Bem, eles precisam ser – eu disse, reprimindo um sorriso diante do seu levemente envergonhado ar de orgulho pelas proezas dos seus gametas. – É um longo trabalho, afinal de contas, e uma luta incrível no final. Apenas um terá a honra, você sabe. – Ele levantou o olhar, sem esboçar nenhuma expressão. Eu percebi que ele não sabia. Ele estudou línguas, matemática e filosofia grega e latina em Paris, mas não medicina. E mesmo que os cientistas naturalistas da época estivessem cientes do esperma como entidades independentes e não uma substância homogênea, ocorreu-me que eles provavelmente não tinham ideia do que o esperma realmente fazia.

– De onde você achava que vinham os bebês? – eu perguntei, depois de alguns esclarecimentos sobre óvulos, espermatozoides, zigotos e coisas do gênero, o que deixou Jamie com os olhos arregalados. Ele me lançou um olhar bastante frio.

– Eu, que fui um fazendeiro toda a minha vida? Eu sei exatamente de onde eles vêm – ele me informou. – Eu só não sabia sobre … toda essa agitação. – Eu achava, bem, achava que um homem planta sua semente na barrida da mulher, e ela… bem … ela cresce. – Ele apontou vagamente para a minha barriga. – Você sabe… como sementes. Nabos, milho, melão, essas coisas. Não sabia que eles ficavam nadando como girinos.

– Entendo. – Eu esfreguei um dedo embaixo do nariz, tentando não rir. – Daí a designação agrícola de que as mulheres são férteis ou estéreis.

– Mmphm. – Ignorando meu comentário com um aceno de mão, ele franziu a testa, pensativo. – Uma semana, você disse? Então, é possível que o menino seja filho dele?

Como ainda era cedo, levei meio segundo para ir da teoria à prática.

– Oh, Jemmy, você quer dizer? Sim, é bem possível que ele seja filho de Roger. Roger e Bonnet deitaram-se com Bree com um intervalo de dois dias entre um e outro. Eu te falei isso, e a Bree também.

Ele assentiu, parecendo distraído. Depois, lembrou-se da torrada e colocou o resto na boca. Ainda mastigando, ele arriscou uma outra olhada na lente.

 – Eles são diferentes, então? De um homem para o outro, eu quero dizer?

– Er… não quando observados. Peguei minha xícara de chá e tomei um gole, apreciando o sabor delicado. – Eles são diferentes, é claro. Eles carregam as características que um homem passa para os seus filhos. – Foi até onde achei prudente chegar. Ele já estava suficientemente atordoado com a minha descrição de fertilização, uma explicação sobre genes e cromossomos poderia ser bastante excessiva no momento. – Mas você não consegue ver essas diferenças com um microscópio.

Ele resmungou, engoliu a torrada e endireitou-se.

– Por que você está observando, então?

– Só curiosidade – fiz um gesto para a coleção de garrafas e copos sob a bancada. – Eu queria avaliar a resolução do microscópio, saber que tipo de coisas eu poderia ver.

– Ah, é? E, então? Qual o objetivo disso, eu quero dizer?

– Bem, me ajudar a diagnosticar as coisas. Se eu pudesse colher uma amostra das fezes de uma pessoa, por exemplo, e ver que ela tem parasitas internos, eu saberia melhor qual remédio eu daria para ela.

Jamie parecia preferir não ter escutado esse tipo de coisas logo após o café da manhã, mas assentiu. Ele esvaziou o copo e colocou-o sob o balcão.

– Sim, me parece bem sensato. Vou deixar você continuar com isso, então. – Ele se inclinou e me beijou brevemente, depois caminhou até a porta. Um pouco antes, porém, ele se voltou para mim. – Os, hum, espermatozoides… – ele disse, um pouco sem jeito.

– Sim?

– Você não pode tirá-los do copo e fazer um enterro decente ou algo parecido? – Eu escondi um sorriso atrás da minha xícara de chá.

– Eu vou cuidar bem deles – prometi. – Eu sempre cuido, não é?

Fonte: Diana Gabaldon
Data de publicação: 09/05/2020

Curta nossa página no Facebook, conheça nosso grupo, Apaixonados Por Outlander, nos siga no Twitter e Instagram. Inscreva-se no nosso canal do Youtube.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s